segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Candidatura do PS no Funchal

Primeira nota: nasci no Funchal, sempre vivi e vivo no Funchal, trabalhei e trabalho no Funchal. Há 4 anos fui candidato na RB porque ninguém quis aceitar o desafio, fui fazer um serviço ao partido e antes de sair deixei uma alternativa credível. Agora sejamos honestos, fui nestas eleições candidato no Funchal, porque ninguém quis aceitar esta candidatura, caso contrário, nunca teria sido candidato.
O resultado das eleições no Funchal foi um desastre para o PS. Assumo a derrota com humildade democrática. Parabéns ao PSD e ao PND pelo excelente resultado que alcançaram.
Tenho a consciência tranquila. Fizemos tudo o que estava ao nosso alcance para obter um melhor resultado, no entanto, não foi possível. Sem querer justificar nada, a verdade é que não tivemos ao nosso dispor as mesmas armas do PSD. Quando o PSD vier para a luta com as mesmas armas dos seus adversários, aí os resultados serão completamente diferentes.
Não vou desistir, porque desistir ou se esconder em tempos de dificuldade e de ventos desfavoráveis não faz parte da minha forma de vida. Eu não não vivo da política nem recebo avenças do partido, não dependo do partido para viver, tenho a minha profissão e sinto-me realizado. Apenas dependo do partido para fazer política partidária e vou continuar.
Gosto de política e não desisto só porque apanhei uma derrota. Perder e ganhar são as duas faces da democracia. Cada um pode fazer as leituras políticas que quiser, eu vou continuar a lutar pelo PS, nos bons e nos maus momentos. Internamente, aproxima-se um Congresso para definir uma nova liderança, novos protagonistas, um novo projecto, uma nova forma de fazer política.
Vou cumprir o meu mandato de vereador na CMF e trabalhar em prol dos funchalenses que votaram em mim. Como sempre fiz na política, vou me empenhar nesta luta autárquica e honrar o partido socialista.

7 comentários:

Anónimo disse...

Faz muito bem. Parabéns pela coragem. força!

J. R.

Espaço do João disse...

Meu caro Rui.
Perder e ganhar, fazem as regras do jogo.Sinto que o meu amigo foi enganado, mas em política todos nós somos enganados. Eu candidatei-me mais uma vez á assembleia de freguesia da minha terra, e qual não foi o meu espanto que na contagem dos votos, os delegados comunas, a 1ª coisa que fizeram foi se dirigiras para as mesas de contagem sem que alguém os convidassem para a contagem dos mesmos, até me ameaçaram de pancada quando me insurgi contra tal,visto não pedirmos ajuda? XClaro está que protestei junto de quem de direito e, aguardo resposta. A desconfiança era tal, pois além de terem dois elementos na mesa de voto, ainda se fizeram representar por dois delegados. Começo a ter vergonha da nossa democracia. Um abraço de solidariedade do amigo á disposição João.

il _messaggero disse...

Caro Rui,


Pese a derrota, venho expressar o meu agradecimento pela campanha positiva que foi efectuada. Dado o contexto eleitoral da região, sinto que a mensagem da vossa candidatura esteve à frente anos-luz face ao eleitorado e ao tipo de discurso usado e aceite pela maioria da população. A história mostra que o eleitorado ainda não é plenamente maduro e no nosso país, a lógica de umas autárquicas obriga as candidaturas a apresentar objectivos muitos imediatos e promessas que cubram as áreas que apenas parecem interessar ao eleitorado - obras e obras. Poderão ter falhado eleitoralmente ao tentar propor uma visão e medidas revolucionárias e imaginativas a médio-longo, mas pessoalmente a mim, foram precisamente essas que me despertaram e suscitaram um maior interesse.

Claro que a instabilidade interna - que o partido parece ciclicamente sofrer - não ajudou em nada, mas e tendo uma opinião como mero eleitor, da minha parte não notei falta de afinco e empenho da vossa parte.

Não irei florear a derrota e a verdade é que o PS no concelho teve 1/2 da votação de 2005. E pese todas as contrariedades sentidas, uma derrota é sempre uma derrota e custará sempre a digerir.

Mas como dito no comentário em cima, as derrotas e vitórias são a componente do jogo e o povo é quem mais ordena, pelo que resta aceitar o resultado e meditar sobre o mesmo. Isto apesar de saber que enquanto a passividade imperar na sociedade madeirense, enquanto não houver um verdadeiro despertar, enquanto as minorias continuarem a serem desprezadas com o beneplácito ou passividade da generalidade da população, muito dificilmente as coisas mudarão.

No entanto, nada é perpétuo e a enorme máquina que actualmente existe na Madeira também um dia cederá. E é temendo um desânimo nas hostes, que faço um genuíno desejo para que saibam levantar a cabeça e representem bem aqueles que mesmo acreditaram e conseguiram percepcionar a vossa mensagem. Que erguam bem alto a cabeça porque há quem acredite em vós. Que façam a oposição responsável e construtiva que esperam de vós. Que saibam pôr de lado todos os anseios pessoais e trabalhar em prol da causa comum, acabando com más práticas tão em voga nos últimos anos.

Creio que isso não é demais. Ainda que o peso da derrota, seja inflacionado pelo peso que é assumir-se como oposição na Madeira, convém lembrar que mesmo assim, haverá sempre madeirenses que esperarão por uma verdadeira alternativa ao actual "status quo" e que provavelmente viram, falando nesta equipa, um vislumbre e um empenho de uma equipa voluntarista e idealista, com a qual poderão contar no futuro.

Eu pelo menos vi. E é isso que venho por este meio registar.

BaBy_BoY_sWiM disse...

Rui,
Lamento a sua derrota e a derrota da sua lista... Apesar de reconhecer o mérito em algumas propostas, acho que algumas propostas foram muito más... E fez com que passasse para os funchalenses uma má imagem da candidatura.
Não é uma questão de armas ou o quer que seja... Repare-se o PND que subiu... Usou as mesmas armas que o PSD?

Os membros da oposição são livres de ir às inaugurações... Se bem me recordo o Rui esteve presente nas comemorações do Funchal na sala nobre e nem tinha sido convidado para tal... Por isso a desculpa de não ter as mesmas armas... é pura demagogia...

A justificação para a derrota é unicamente ter sido uma derrota... Os responsáveis serem falando e visto internamente quem foram... Eu até poderia explicar a razão e motivos que a meu ver explicam a derrota...

O Funchal é o concelho que mais votos flutuantes tem, por isso... E a maioria dos funchalenses não vai lá por causa de inaugurações... E o Rui sabe disso...

Espero que dê o seu melhor pelo Funchal... Acho que todos os funchalenses que depositaram o voto em si, merecem tal...

Ah... E não esquecer quem foram os principais opositores da candidatura... Carlos Pereira, Paulo Barata... e etc... Devem ter metido uma data de velinhas na Sé!

Abraço

Donato Macedo disse...

Caro Rui, reconheço a sua ousadia em abraçar esta candidatura nas condições em que a acolheu. Permita-me discordar frontalmente de algumas propostas fantasiosas que defendeu, que também ajudaram a meu ver, a sepultar o desastroso resultado que obteve.
Admiro a sua postura democrática, apesar de estarmos politicamente distanciados.

jj disse...

Rui,

Tem a clarividência, a perspicácia, a capacidade de análise e trabalho, a razão e o coração, para prosseguir, e confiante, no caminho que agora se desenha à sua frente.

Cada percurso é um percurso, o seu começa agora. Que organicamente se reflicta, repense, reorganize o que há para reflectir, repensar, reorganizar. Que isso não mine o seu trabalho, nem apouque o seu valor.

"O caminho é nosso, não o recusemos.", certo?

;)

João Carvalho Fernandes disse...

Há perdedores que mostram ser vencedores...

É tudo uma questão de carácter, que até vem mais ao de cimo nestas alturas.

Os meus Parabéns por manter a postura de pessoa honesta!

Um abraço