segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Islão na Europa - Os suíços têm medo dos minaretes e não são os únicos na Europa


O cartaz do SVP mostra uma bandeira suíça de onde saem minaretes em forma de mísseis atrás de uma mulher de chador
-
Uma torre não é só uma torre, quer se erga no cimo de um castelo, de uma mesquita ou de uma igreja. Um minarete não é nem nunca foi só uma torre. Na Europa, tem-se tornado num dos símbolos de tensão entre grupos de não muçulmanos, que vêem os crentes do islão como estranhos à sua cultura e identidade, e comunidades muçulmanas que, cada vez mais integradas e orgulhosas, querem dar visibilidade aos seus templos.
Os 400 mil muçulmanos da Suíça têm 180 locais de culto, a maioria em edifícios industriais ou salas, "soluções improvisadas sem representatividade exterior, longe dos bairros simpáticos", diz Andreas Tunger-Zanetti, do Centro de Investigação em Religião da Universidade de Lucerne. Só há quatro mesquitas com minaretes no país e em nenhum local de culto se ouve o muezzin, a chamada para a oração.
http://www.publico.pt/Mundo/os-suicos-tem-medo-dos-minaretes-e-nao-sao-os-unicos-na-europa_1408904

3 comentários:

luispt84 disse...

Não sei qual é o problema, os edificios até são bem bonitos!

Mauro disse...

Esta inciativa popular vem de um grupo de malta completamente doida: a UDC, que é mais ao menos o equivalente do CDS em Portugal. Eles lutam por coisas tão doidas como a limitação do número de estrangeiros, pela erosão rápida do sistema de protecção social. São simplesmente o grupo do contra. Quando os partidos da direita liberal aos socialistas, a UDC está contra. È uma maneira esquesita de fazer politica, mas é assim. Eles aqui não metem medo a ninguém. O jogo deles é a provocação!!!! Mesmo sobre os temas mais absurdos.

Mauro-Genebra/ Suiça

Anónimo disse...

Coisas que se vão descobrindo sobre o islam.
Um muçulmano pode ser o maior criminoso em relação aos não muçulmanos e mesmo para com muçulmanos.
Os outros muçulmanos não o julgam, allah sabe mais e allah é que o julgará.
Ele, o muçulmano criminoso, pode ter feito coisas proveitosas para o islam, e os outros muçulmanos não o saberem.

Um não-muçulmano pode ser a melhor e a mais santa das pessoas.
Para os muçulmanos não tem valor e é para submeter.
Para o islam, o pior muçulmano está acima do melhor não muçulmano.

Um não-muçulmano pode fazer o melhor dos bens aos muçulmanos, estes nada lhe agradecem.
Agradecem só a allah, mesmo que allah os tenha posto ou ponha na maior das desgraças e misérias.

Os muçulmanos nunca podem por em causa maomé e allah, quando foi o próprio maomé a revelar-nos que
o seu allah era o responsável por todo o mal do mundo.

Os muçulmanos dizem o que dizem e fazem o que fazem, porque isso lhes traz proveitos e os não muçulmanos, continuam
cegos e a não quererem ver o que o islam realmente foi, é e quer ser.
Está tudo escrito, é só dar um pouco de atenção para descobrir estas e outras verdades sobre aquela coisa, o islam.

O islam aproveita-se da bondade, generosidade, ingenuidade e passividade dos não-muçulmanos, para ir construindo a
sua maldade.

Mesmo que isso passe por desmascarar o mais mascarado dos males, tipo islam, as pessoas boas têm o direito, dever
e obrigação de defenderem e construírem o bem.