domingo, 3 de janeiro de 2010

Genes podem determinar partido político


A genética parece desempenhar um papel importante na forma como o indivíduo se identifica com um partido político, afirmam académicos norte-americanos. Clique para visitar o canal Life & Style.
A identificação partidária é um dos conceitos mais estudados na Ciência Política moderna. Saber como é que um indivíduo se identifica com um determinado partido político é relevante numa sociedade democrática.
A ligação do indivíduo a um partido é habitualmente considerada como resultado de factores sociais.
Mas uma equipa de académicos norte-americanos afirmou recentemente que a identificação partidária pode ser transmitida genética e não socialmente.
Os autores do artigo, publicado na
Political Research Quarterly da Western Political Science Association, tiveram como base modelos de genética quantitativa.
As conclusões inserem-se num projecto mais amplo de análise científica da Política (The Scientific Analysis of Politics), no qual foram usados modelos psicológicos e biológicos para estudar o comportamento político.
Os estudos tentam assim chegar a uma melhor compreensão das atitudes e escolhas políticas do indivíduo.

3 comentários:

BaBy_BoY_sWiM disse...

Então Rui,

O melhor que tem a fazer é mudar de partido, pois a Madeira já tem no seu gene mais profundo o PSD...

Ehehe..

Abraço

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Camarada Rui

Curioso tema este de a genética poder infleunciar na escolha de um partido político. Muito interessante. Vou tentar saber mais sobre o assunto. Fica o pedido: se tives mais alguma coisa, diz. Obrigado.

Venho, porém, hoje aqui para te dizer que continuo a visitar-te, continuo a gostar de o fazer, continuo a achar excelente o teu blogue, continuo teu Amigo. E espero continuar assim durante este 2010 em que já estamos. A maior parte das vezes, não deixo cumentários, com o, porque não chego para as encomendas…

Muito obrigado pelo que me deste, que foi muito, e a que eu talvez não tenha correspondido como tu mereces. Vou tentar ser um pouquinho melhor nos 361 dias que se seguem. Mas, não prometo nada. Sou um malandro. Bom? Penso que menos mau… De qualquer maneira, oxalá o novo ano te traga o que entenderes melhor.

E peço-te desculpa por este ser um texto comum. Com a quantidade de gente como tu, não podia ser de outra maneira. Não sou uma centopeia, para chegar a toda a parte, muito menos um deus para ser omnipresente. Espero por ti, sempre que queiras visitar-me na minha Travessa.

Abs

il _messaggero disse...

A abordagem é interessante, mas perece-se difícil.

A escolha política, mais que genética, creio que é muito determinada pelo percurso de vida e pelo contexto. Muitos outros estudos comprovam tal facto - com evidências bem mais fortes.

No entanto, não deixa de ser interessante, haver a contraposição com este estudo - sobre o qual procurarei mais dados, pese à partida torça o nariz ao mesmo.