segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Serviço Regional de Saúde - um caso real

O Serviço Regional de Saúde da nossa Região tem lacunas demasiado graves. Abordando a situação da Saúde Oral, embora tenha havido algum esforço em melhorar este serviço, a realidade actual é muito dramática. As insuficiências atingem o desespero dos utentes.
Por exemplo, os alunos com mais de 12 anos, que pertencem a famílias desfavorecidas, nem é preciso ser muito pobre, não têm direito a um serviço de dentista de um modo rápido, eficiente e, em alguns casos, não têm mesmo nenhuma hipótese em resolver o seu problema de saúde oral. Apresento uma situação concreta e verídica.
Em Dezembro de 2009, uma minha aluna estava na aula com dores de dentes. Cabeça deitada na secretária, com um lenço embrulhado na cara. Não suportava as dores. As lágrimas corriam na sua face. Contou que há uns dias atrás acordara com uma leve dor, como piorou depois, devido aos seus fracos recursos financeiros, dirigiu-se ao Centro de Saúde, ao médico de família que a enviou para o hospital. Todavia, apesar da urgência, não teve direito a consulta de um dentista do Serviço Regional de Saúde, porque já tinha 15 anos.
Então, nova consulta ao médico de família, mais uma semana, e aí o médico, perante a situação e sem alternativa, como as dores de dentes da adolescente continuavam, receitou uns antibióticos e uns analgésicos para tentar remediar a situação e assim adiar o inadiável.
Um escândalo. Estupefacto com o relato da aluna e sensibilizado pela situação, pois a aluna não tinha condições sociais para um dentista particular e tinha excesso de idade para ser atendida no Hospital, tive de agir.
Não faz parte da minha filosofia de vida ficar parado a assistir sem nada fazer. Embora a aluna estivesse uns tempos melhor, pois esteve anestesiada com os medicamentos, mas logo que efeito passou, as dores insuportáveis voltaram. Ali estava ela perdida com dores. E eu sei o que são dores de dentes.
Entretanto, contactei, desde logo, a directora de turma que tentou tudo fazer para resolver o problema, mas não havia solução através da Escola. O seguro não cobria, a Acção social escolar muito menos e, deste modo, a escola estava amarrada sem nada poder fazer.
Lembrei-me de contactar o meu caro amigo André Escórcio a solicitar a sua ajuda. Como sei que é um homem preocupado com estas situações de injustiça e tem mais experiência do que eu, pedi-lhe ajuda.
Fez os seus contactos e eis que surge uma solução. A Directora de turma deveria contactar a Assistente Social da zona de residência da aluna para que esta técnica fizesse o estudo da família e depois de comprovar que a família não tinha realmente condições económicas para pagar um médico dentista particular, então seria solicitado a intervenção da Segurança Social.
E assim se fez. A Assistente Social foi contactada, fizeram o processo de avaliação da família, que demorou alguns dias mais.
A directora de turma informou-me, na passada sexta-feira, que o caso, finalmente, mais de um mês depois, vai ser encaminhado para a segurança social. Vai ser!! Hoje tive aula com a aluna e perguntei se já tinha tido a consulta e disse-me, toda satisfeita, que já estava tudo resolvido e que agora só faltava marcar a consulta. Ainda não foi consultada!! Ainda tem as dores, mais suaves, porque os analgésicos cumprem o seu papel.
Ficamos muito contentes com o desfecho, embora insatisfeitos com a demora e com o tempo perdido em burocracias desnecessárias.

Esta é a realidade do nosso sistema regional de saúde. A aluna teve sorte em ter encontrado professores interessados e atentos que detectaram o seu estado de saúde e não descansaram enquanto não encontraram uma solução, apesar da morosidade do processo. Contudo, este é um mero caso. Como esta aluna existem centenas sem solução.

2 comentários:

Espaço do João disse...

Caro Rui.
Infelizmente casos desses não são só na Madeira. Por cá também os há. Um abraço João.

Gerofil disse...

Olá, caro amigo.
A situação que relata é completamente vergonhosa – tanta gente a saber o que se passa e ainda nada foi feito relativamente ao essencial. É uma tremenda vergonha isto acontecer num país da União Europeia. Ah, e já agora não se esqueçam de ir votar nos políticos que temos (tanto faz de direita, do entro ou de esquerda), quando houver eleições.
Oportunamente vou colocar este relato no meu blogue:
http://saudeoral.blogspot.com/
Saudações desde o Continente.
Gerofil