terça-feira, 11 de março de 2008

Onde esconderam os INDICADORES?

Victor Freitas, líder parlamentar do PS na Assembleia Legislativa da Madeira, no seu blogue, replicaecontrareplica, reafirma algumas questões pertinentes, sobre a nossa Ilha
No entanto, o Governo Regional, no poder há 30 anos, recusa-se a esclarecer, naturalmente, com medo da verdade e tentando, mais uma vez, fugir à sua responsabilidade.
Este Governo Regional, que não governa, prefere meter a cabeça na areia.
-
"INDICADORES QUE SE DESCONHECE
-
O NÚMERO DE POSTOS DE TRABALHO QUE SE PERDERAM NA MADEIRA DESDE 2004:
-
OS MADEIRENSES QUE FORAM PARA O DESEMPREGO 9000;
-
O NÚMERO DE IMIGRANTES QUE DEPOIS DAS OBRAS ABANDONARAM A REGIÃO 7500, 8000, 10000????
-
O NÚMERO DE MADEIRENSES QUE EMIGRARAM 5000; 7000; 8000????
-
QUANTOS POSTOS DE TRABALHO FORAM EXTINTOS... 15.000; 20.000 OU 25.000???"



6 comentários:

SOS online disse...

Ô da ilha ! Tudo bem por aí? É algo de tão sublime esta tua Madeira que acabo visitando com meu Google map e depois de tanto sobrevoar posso garantir onde é o endereço do paraiso.
Deixo-te um abraço forte.
Alda

elprincipito disse...

The Truth is Out There.

Tiago R. Cardoso disse...

Não sei, mas se calhar são aqui como os do continente, só aparecem os que interessam, os outros são "calunias".

Luis Miguel disse...

Não há dados, nem há respostas. Mais uma pasta confidencial. Benditos arquivos.


Caro Rui, aproveito para notificar a alteração do meu site, para:

www.cantinhodomundo.com

Um forte abraço.

Carla disse...

perguntas cujas respostas dificilmente chegarão
bom dia

Alexandro Pestana disse...

pe-pe-deia quer ocultar muitos números porque sabe que a Madeira é um verdadeiro aborto para a economia nacional e só serve para chupar fundos europeus e do orçamento de estado. Essa é a verdade. A Madeira praticamente não produz um corno, quando comparado ao que entra de dinheiro da república e da UE.

Até o proprio turismo já deixa muito a desejar pois só consegue atrair turismo de idosos na sua grande maioria, turistas que são pouco exigentes no que diz respeito a qualidade de serviço, a inovação, variedade de serviços e eventos culturais disponíveis.