segunda-feira, 16 de junho de 2008

Solucionar a crise III

A crise resolve-se com uma intervenção política séria e sustentada e, se houver boa vontade, existem meios suficientes para ajudar as populações madeirenses.
Um ramo estratégico a intervir, mas de um modo diferente do actual, é o da aplicação do princípio da subsidiaridade, aplicando bem os apoios à insularidade que vêm do Governo da República e da UE.
Consideramos necessário fazer com que o POSEIMA traga resultados práticos junto dos produtores e consumidores. Então, seria imprescindível realizar uma avaliação sobre todos os instrumentos existentes de combate à ultraperiferia e insularidade, medir o impacto e introduzir alterações e ajustamentos de modo a que todos os mecanismos cumpram o seu papel de garantir preços mais baixos para todos os madeirenses.
Em suma, esta crise trava-se com visão política e muita competência, negociando com habilidade os fundos a que temos direito da UE e da República, sem chantagens nem ameaças.

15 comentários:

Adriana disse...

Oi, obrigada pelo seu comentário, de além- mar. Pelo visto você e professor de Geografia ou História?
Também sou professora, de Português, cá no Brasil, em Belo Horizonte. É interessante, como o Português do Brasil e o de Portugal são tão semelhantes, mas ao mesmo tempo, com características tão próprias. Em tempo: o que você acha da Nova Reforma Ortográfica, a vigir em 2010?
Parabéns pelos seus textos, bem escritos e fundamentados. Abraço, Adriana

Adriana disse...

Oi, obrigada pelo seu comentário.

Pelo visto, você deve ser professor de História ou Geografia? É interessante como o Português lusitano e o brasileiro são tão semelhantes e, ao mesmo tempo, tão diferentes. Em tempo: O que você acha da Nova Reforma Ortográfica imposta aos países que falam o Português? Sou professora de Língua Portuguesa, então, você já viu, né?
Parabéns pelos seus textos. Bem escritos e bem fundamentados.
Abraço, Adriana.

bettips disse...

Há um hiato tão grande entre aquilo que é mostrado e aquilo que é mesmo!
Um abraço do continente, para uma ilha encantada de flor...que é pena seja assim governada por cérebros do tamanho duma bola...de golf. Desenvolvimento sustentável, já ouvimos falar, não é?
Obg pela tua passagem, que me é grata!

Helen Dante disse...

Olá Rui, estou aqui te visitando. Li alguns textos do seu blog, e vejo que tem uma visão profundamente social e se desmosntra preocupado com o momento presente, onde vive e com todo o futuro da humanidade. Linda a imagem da criança segurando o planeta terra, e o que vc escreveu. Lembrei duma frase que li uma vez: "O destino do homem é feito pelas suas próprias mãos" e nesse contexto havia uma foto, de um homem segurando apenas a armação que dá sustento ao globo para ele ficar em pé sobre a mesa. Quero parabenizá-lo por trazer através de seu blog e do que escreve a realidade como ela é. Bastante sorte pra vc e sucesso sempre!! Que meu abraço encontre teu sorriso. Até mais ler...

poetaeusou . . . disse...

*
e vai ser
a ultima oportunidade,
em 2014 é o fim . . .
dos . . . fundos,
,
abç
,
*

mdsol disse...

Apesar de aqui ler as "desgraças" desse "regime" (chamemos-lhe assim)...cada vez tenho mais saudades de voltar a essa terra linda!!! (não tem a ver com o post mas é verdade!)
:)))

T disse...

Um blogger de uma pessoa inteligente!
é isso ai :*

Alexandro Pestana - www.miradouro.pt disse...

Poseima... isso tem a ver com agricultura? Ninguem quer sujar as unhas na terra, por isso... Não vamos longe... Eu ca não tenho complexos, apesar de lidar bom bits e bytes também pego numa enxada é bem mais barato que pagar ginásio! lol

Deusa Odoyá disse...

Oi meu estimado amigo Rui.
Obrigado por suas palavras em meu cantinho, espero que tenhas gostado.
Muito bem elaborados seus textos.
Boa semana com muita paz e amor e amor em seu coração.
beijos da amiga do lado de cá.

xistosa - (josé torres) disse...

Eu tenho vindo "por aqui".
Não comento, apesar de sentir os dedos a crescer para as teclas.
Prefiro ler, o "ABC, o "El País" e os "El Mundo", além do "Faro de Vigo".
Como não me l~em em Espanha, divirto-me ...
Aqui sei que ia ter problemas ...
Malditos pulhas, desculpe, políticos.
Eu que vivo no continente, se colocasse o que sei ...
Mas sou só eu !
Uma boa semana.

Maria disse...

O problema é que as intervenções políticas sérias e sustentadas, ainda que existam no papel, não são levadas à prática.....
E o mal é generalizado, todos eles são os grandes iluminados e eles é que sabem...

Ana disse...

Sem dúvida, de acordo. Que haja muitas vozes como a tua... e ouvidos para a ouvir.

CAVACADA disse...

de teoria o país e a madeira está farto! è preciso soluções e alternativas para dar um salto qualitativo. Mas penso que que também é necessário mais e melhor da sua parte.

Olhos de mel disse...

É meu amigo lindo! A política está cada vez mais difícil entender e aceitar.
Boa semana! Beijos

Espaço do João disse...

Sempre ouvi dizer que não é com vinagre que se apanham moscas... E que o cordeirinho mansinho, mama o seu e o do vizinho. A arrogancia e a verborreia de taberna, não leva a lugar nenhum. Quem semeia ventos, colhe tempestades! Que sabedoria popular...