terça-feira, 30 de novembro de 2010

Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco usa ioga para 'acalmar' alunos

É uma ideia original. A Escola Gonçalves Zarco quer usar o ioga para aumentar a rentabilidade dos alunos, incrementar a concentração nas aulas e acalmar os estudantes com dificuldades no cumprimento das regras impostas.
O estabelecimento de ensino tem em curso duas sessões de ioga e apela aos pais e professores para que participem e motivem os seus alunos para a prática.
Rui Caetano, director da Gonçalves Zarco, diz estar optimista quanto às potencialidades da iniciativa e adianta que os alunos podem participar na aula, em horário pós-escolar e sem qualquer custo.
O projecto, apresentado ontem, durante a tarde, é gerido por três professores de ioga externos à Gonçalves Zarco. A ideia é tentar alargar a experiência ao maior número de alunos possível.


domingo, 28 de novembro de 2010

Anúncios de serviços domésticos pagos em favores sexuais crescem em França

Uma nova tendência de anúncios de oferta de trabalhos domésticos, que dá sentido à expressão “pagamento em géneros”, está a agitar os franceses.
A história, contada no jornal francês, Le Parisien, conta como está a virar moda trocar certos serviços como arranjos de canalização ou traduções e explicações em casa, por favores sexuais.

Ler mais em PÚBLICO

Se a candidatura ibérica vencer, o turismo nacional começa logo a ganhar

O secretário de Estado do Turismo defendeu que se a candidatura ibérica ao Mundial de Futebol de 2018 vencer o turismo nacional começa a ganhar desde o dia do anúncio, considerando que "é um sinal importante" para os investidores portugueses e estrangeiros.
"Um evento desta natureza pelo que gera em termos de procura internacional é seguramente um sinal importante que os investidores portugueses ou estrangeiros têm para fazer investimentos em Portugal", afirmou hoje Bernardo Trindade.
O secretário de Estado do Turismo admitiu estar "confiante" na vitória da candidatura conjunta de Portugal e Espanha, considerando que "a candidatura ibérica não está pior do que as suas adversárias".
Bernardo Trindade acredita que o impacto da eventual realização do Mundial de Futebol de 2018 será ainda maior do que o Euro 2004, que foi "um bom ano turístico", uma vez que, realçou, "tem uma repercussão maior porque se está a trabalhar à escala global, tendo público dos cinco continentes".
Do ponto de vista turístico, acrescentou, "é obviamente muito importante uma vez que a visibilidade que Portugal terá até à realização do evento e durante o evento são uma forma de comunicar a nossa realidade e a nossa capacidade de organização", defendeu.
Para o responsável do Turismo, "como o evento se realiza em 2018, a visibilidade que Portugal teria nesta candidatura conjunta, em que inúmeras vezes será citado, reforça a competência instalada, a capacidade de organização e dá visibilidade a um país que assumiu o turismo como uma actividade essencial no seu processo de desenvolvimento".
Bernardo Trindade considerou que a vitória seria também positiva "no plano político, porque reforçaria a cooperação dos dois países" bem como "no plano financeiro uma vez que o investimento requerido seria diminuto, uma vez que os estádios portugueses candidatos estão construídos desde 2004".
O governante defende que o facto de apenas o Porto e Lisboa poderem vir a ser palcos de jogos não impede que "o turista que vem ao Mundial possa contactar com outras realidades, como o Algarve, o Alentejo, o Douro ou até mesmo uma deslocação às regiões autónomas da Madeira e dos Açores".
Ao Mundial de 2018 concorrem as candidaturas conjuntas de Espanha e Portugal e da Bélgica e da Holanda, além da Inglaterra e da Rússia. À edição de 2022 apresentam-se Austrália, Coreia do Sul, Estados Unidos, Japão e Qatar.
A Comissão Executiva da FIFA anuncia às 15:00 de Lisboa de 2 de dezembro, em Zurique, a atribuição da organização dos Mundiais de 2018 e de 2022, depois de as várias candidaturas fazerem a última apresentação na véspera e na manhã do dia decisivo.
A candidatura Ibérica faz a sua apresentação às 9 horas de 2 de Dezembro.

Entrevista a João Welsh, delegado regional da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo

A Madeira vive um momento extremamente delicado no Turismo, porque todos os indicadores apontam para quebras, falamos de quebras significativas no RevPar (Receita por Quarto Disponível) de quase 10 euros e já vinha caindo nos últimos anos, que não permite à grande maioria dos hotéis da Madeira ter rentabilidade, capacidade de pagar os seus compromissos de endividamento.
A ocupação hoteleira está a cair, a entrada de turistas também. Por isso, temos uma situação muito delicada e que tem que ser alterada com uma estratégia consistente para o futuro.

Ler mais em: DIÁRIO

Chuva e vento colocam a Madeira, outra vez, com aviso Laranja

A justificar, desde já, o aviso meteorológico laranja o tempo na Madeira volta a ser de chuva, por vezes forte e vento forte de sudoeste a partir da manha de Domingo.
As previsões do Instituto de Meteorologia (IM) dão conta da aproximação de uma nova depressão atmosférica que vai trazer muita instabilidade no arquipélago.
Já esta tarde o Serviço Regional de Protecção Civil emitiu um alerta para o agravamento das condições do tempo onde recomenda à população que evite zonas susceptíveis de condicionamentos em relação a possíveis inundações e que respeite a sinalização das autoridades.
Recordo que está ainda em vigor o aviso da Capitania do Porto do Funchal, de agitação marítima forte, particularmente na costa norte onde as ondas podem chegar aos 4 metros e meio de altura. As autoridades marítimas aconselham a permanência das embarcações nos portos de abrigo.
-
Será que vamos ter mais enchentes na baixa do Funchal?? Até quando?

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Milhões de euros a 'meter água'

Pelo menos quatro dos mais recentes pavilhões da Região não são impermeáveis à chuva. Um facto mais visível sempre que a Região é fustigada com chuvadas fortes e que demonstra que algumas destas infra-estruturas necessitam de reparação urgente.
Para além das consequências na prática desportiva, as infiltrações de água, colocam também em perigo a integridade física dos atletas.
Os casos mais problemáticos são identificados no Pavilhão da Francisco Franco, da Escola Bartolomeu Perestrelo, da Escola da Levada, da Escola do Caniço e por fim do Caniçal.


-
OBRAS DA MADEIRA NOVA E MILHÕES RETIRADOS A TODOS OS MADEIRENSES QUE DEIXAM OS SEUS IMPOSTOS, ATÉ AO ÚLTIMO CÊNTIMO, NOS COFRES DO GOVERNO REGIONAL DA MADEIRA!!

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Secretário dos Assuntos Sociais admite despedimentos na ortopedia

O secretário regional dos Assuntos Sociais, Francisco Jardim Ramos, admite o despedimento dos médicos ortopedistas.
À margem de uma iniciativa no Parque Desportivo de Água de Pena, o governante afirmou que "não é razoável fazer-se uma greve só porque não se gosta do director do serviço de ortopedia".
Francisco Jardim Ramos sublinhou que a "função do director é coordenar o serviço", pelo que os colegas que trabalham com ele devem "dar toda a colaboração para que o serviço funcione bem e dê resposta favorável às necessidades dos utentes". Nesse sentido disse esperar "bom senso dos ortopedistas".
Contudo, seguindo aquilo que também já foi manifestado pelo presidente do Governo, Francisco Jardim Ramos, adiantou que a manter-se a situação, a solução poderá passar por despedimentos: "Se for necessário passará. O nosso hospital é uma empresa. Portanto, se há pessoas que perturbam o normal funcionamento da empresa, pode acontecer."
Para atenuar os efeitos da greve, os serviços mínimos estão garantidos. Ainda assim, o secretário considera que "os ortopedistas terão tempo para reflectir sobre a sua acção".

In DIÁRIO
-
Se a greve é contra o Governo da República, o PSD e o governo regional aplaudem e apoiam, mas se a greve é contra as políticas do governo regional e o seu PSD, aí condenam, acusam, ameaçam com represálias e despedimentos.
AUTÊNTICA DITADURA!

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Na POLÍTICA com VALORES!!

Há gente que está na política com o olhar fixo apenas no seu umbigo inchado e arrogante, como se o mundo só girasse à sua volta. Não são capazes de ter uma visão estratégica despegada dos seus interesses pessoais e muito particulares.
Só deve estar na política quem estiver disponível para cumprir uma missão: a missão de estar ao serviço dos reais interesses dos cidadãos.

Jardim ameaça “ver-se livre de gente que perturba”

Na véspera de mais uma greve dos ortopedistas do Hospital Dr.º Nélio Mendonça o Presidente do Governo deixou um aviso em tom de ameaça.
Alberto João Jardim afirmou que “a seu tempo a estrutura hospitalar vai-se ver livre de gente que perturba e não quer trabalhar”. Foi desta forma que o Presidente do Governo comentou a greve marcada pelo SIM, Sindicato Independente dos Médicos realçando que “ninguém está infeliz por causa da greve dos ortopedistas”.
À pergunta, se ia despedir os médicos, Alberto João Jardim ficou em silêncio.
Os médicos ortopedistas cumprem esta terça-feira o primeiro dos dois dias de greve. O segundo dia do protesto é quarta-feira, 24 de Novembro, dia da greve geral.
In DIÁRIO
-
O dr. Jardim ao dizer que se vai ver livre de quem não quer trabalha só poderia estar a se referir ao dr. Marcelino, pois, segundo consta, não aparece no hospital quando devia. Em relação a quem perturba, há anos que é assim!

Ensino precisa de estratégia

Um plano estratégico para vários anos e respostas práticas para os problemas concretos e quotidianos das escolas, dos alunos e dos professores.
Jaime Freitas, do Sindicato Democrático dos Professores, e Rui Caetano, director da Escola Gonçalves Zarco, entendem que é tempo de olhar a Educação para lá da neblina e das teorias que nos últimos 35 anos foram tentadas pelas dezenas de ministros da Educação portugueses.

Ler em DIÁRIO

domingo, 21 de novembro de 2010

Jacinto Serrão envia uma carta aos candidatos à Presidência da República

CDS afasta-se de iniciativa 'inconveniente' do PS.
O CDS é o único partido da oposição regional, que não rubricou uma carta que vai ser enviada aos candidatos à Presidência da República. O dinamizador da iniciativa, o grupo parlamentar do PS, tem uma leitura bastante crítica: "O CDS não considera relevante a defesa da democracia na Madeira e prefere ser bengala do PSD Madeira."As palavras de Carlos Pereira, vice-presidente de André Escórcio, vêm com o esclarecimento de que o CDS "não assinou deliberadamente", um documento que reclama por mais democracia na Madeira e "o cumprimento do juramento presidencial de cumprir e fazer cumprir a Constituição".
José Manuel Rodrigues, a quem a carta foi dirigida, diz não fazer sentido colocar desafios aos candidatos, sobre a matéria constante na carta. O que faz sentido e o dirigente do PP espera que aconteça, é os candidatos incluírem o seu pensamento sobre a autonomia nos respectivos manifestos.
Além do mais, o PP entende não dever subscrever uma iniciativa que vem "no seguimento da campanha de Manuel Alegre", que é apoiado pelo PS e pelo BE.O objectivo declarado da carta é que o futuro Presidente da República intervenha, no sentido de garantir a presença do Governo Regional no parlamento madeirense. Os subscritores do documento dão o exemplo das frequentes idas à Assembleia da República do Governo central, o que voltou a acontecer recentemente com a discussão do Orçamento do Estado. "Ora, se a presença do Governo no Parlamento é um facto natural, conforme manda a Constituição, e a ausência do primeiro-ministro não é aceite pelas diferentes forças políticas.
Na Madeira a ausência do presidente do Governo no primeiro órgão de governo próprio, que é a Assembleia Legislativa Regional, é que é um facto que se tornou normal e a sua presença no parlamento da Região uma situação excepcional."
A carta dá exemplos de momentos em que se impunha a presença do presidente do Governo e em que ele não aparece: discussão de moções de censura; raríssimas presenças ao longo da legislatura; e discussão do Orçamento, com excepção de pequenos períodos.
Os signatários da missiva aos candidatos presidenciais, na expectativa de que o Governo e nomeadamente o seu presidente, vai continuar a primar pela ausência na Assembleia Legislativa, deixam uma mensagem: "Apelamos a Vossa Excelência, como candidato a Presidente da República, e sendo certo que, constitucionalmente compete ao titular deste cargo ser o garante do regular funcionamento das instituições, para que, se eleito, seja o penhor de um pacto perante os Madeirenses, em que assuma o compromisso de, enquanto eventual futuro titular do cargo, se assim o entenderem os Portugueses, tomará as medidas necessárias para que o Parlamento da Região Autónoma da Madeira exerça as suas competências próprias em pleno, em todas as situações acima relatadas, nomeadamente em sede de discussão do próximo Orçamento regional, em que a normalidade democrática exige a presença do Governo da Região Autónoma, e nomeadamente a do seu principal responsável, Sua Excelência o Presidente do Governo Regional."
O documento vai assinado por Jacinto Serrão, deputado e presidente do PS-Madeira, André Escórcio, líder parlamentar do grupo socialista, Carlos Pereira, vice-presidente, Vítor Freitas e Bernardo Martins, deputados do mesmo partido, Roberto Almada, deputado e Coordenador do BE, Leonel Nunes, deputado do PCP, e José Manuel Coelho, deputado do PND e candidato a candidato presidencial.

PS propõe aposta no "cluster do mar"

Ideia vai integrar o programa de Governo com que o PS se vai apresentar em 2011.
É uma das primeiras grandes propostas que os socialistas formulam, com base no projecto 'Autonomia Aberta' a que deram início neste fim-de-semana: a Madeira deve apostar no cluster do mar.
A aposta no mar, "como fonte de riqueza económica e do conhecimento" deve ser inserida num novo modelo de desenvolvimento que os socialistas pretendem, como alternativa ao actual, "que se encontra esgotado e pressupõe a dependência continuada de recursos financeiros vindos do exterior".A aposta socialista no cluster do mar, passa pela fundação de um 'Instituto para o Desenvolvimento do conhecimento e da Economia do Mar', adianta Jacinto Serrão ao DIÁRIO.
O instituto inclui "a criação de um parque de ciências e tecnologias do mar, com o objectivo de promover e apoiar a investigação e o desenvolvimento tecnológico em áreas científicas relacionadas com o Oceano, fundamental para promover a inovação nas actividades económicas sustentadas nos recursos marinhos e em serviços tecnológicos afins, que aproxime o saber universitário e as empresas regionais com vocação para o sector, quer as que já existem, quer os novos investimentos".O cluster terá como pilares as seguintes áreas: a pesca e a indústria pesqueira; o turismo marítimo e a construção naval de embarcações turísticas; a investigação oceânica e o desenvolvimento científico e tecnológico; os portos e o ordenamento costeiro e marítimo.
O PS tem ideias para apoio aos estaleiros navais, à frota pesqueira, à reinstalação da indústria conserveira (depois de devidamente estudada). Tem também um projecto de Turismo Marítimo de Natureza.
A ideia geral é a afirmação geoestratégica da Região no Atlântico.

sábado, 20 de novembro de 2010

RONALDO E MESSI DOIS FENÓMENOS DO MELHOR QUILATE




Pacotes financeiros para famílias carenciadas

Os socialistas defendem pacotes financeiros para apoiar as famílias mais carenciadas da Madeira. As verbas, explicou Jacinto Serrão no primeiro dia da 'Autonomia Aberta', deveriam estar inscritas já no Orçamento da Região de 2011. O líder socialista diz que a situação é grave, há muito desemprego e bolsas de pobreza espalhadas por todos os concelhos da Região.
A 'Autonomia Aberta' dos socialistas começou ontem em Machico com um encontro com representantes dos bombeiros, mas vai estender-se pelos próximos dias. Jacinto Serrão vai encontrar-se com dirigentes de associações e privilegiar os contactos directos com a população. "Só assim se poderá conhecer os problemas reais das pessoas e dar eco deles".
Os pacotes financeiros para as famílias carenciadas são, no entanto, apenas uma das medidas que Jacinto Serrão gostaria de incluir no plano estratégico de combate à crise e à pobreza. Outra das ideias foi apoios ao investimento privado reprodutivo, aquele que pudesse criar emprego e gerar mais riqueza. "Essa seria uma forma de dar resposta aos mais de 15 mil desempregados da Madeira".
Segundo o presidente do PS-Madeira, a crise que se vive na Madeira não é conjuntural, é estrutural e estas medidas para o longo prazo.

In DIÁRIO

CRISTIANO RONALDO é mesmo um fenómeno!

Por GRAÇA ALVES - Balada (ao que partiu daqui)

Podes vir, sem medo. Aqui, nesta casa de pedra, há lugar para ti. Temos a mesa posta e o coração pronto para um abraço, aquele que levaste contigo, quando bateste a porta, engoliste as lágrimas e foste à procura de mundo. Podes vir. A ilha nunca mais foi a mesma na tua ausência. Nem nós. Andamos mais velhos, mais sós. Andamos mais longe de nós. As nossas mãos seguram o vazio que tem a forma oca das tuas. As nossas pernas prendem-se cada vez mais ao chão, árvores desertas de verde. Os nossos olhos estão presos ao balcão donde vigiamos o horizonte. Podes vir, sem medo das palavras. Nem dos silêncios. Nem dos intervalos entre as palavras e os silêncios. Quando nos avistares, as aves hão-de ensinar-te a melodia para a palavra que esperamos:
-voltei.
Quando chegares, o vento há-de pendurar nas ramagens o perfume do perdão, da alegria, dos sorrisos que guardámos no fundo das arcas para o momento de voltar a ver os teus olhos, líquidos de mar. A saudade. Então, as marés hão-de deixar escritas no calhau, com a renda branca da espuma, a esperança de um tempo novo. Quando chegares, a terra há-de ficar grávida de Primavera, mesmo que seja Outono. As andorinhas hão-de regressar sem medo do Inverno e cartografar o nosso futuro, no céu da nossa esperança. Vamos acender os balões de S. João nas parreiras castanhas de Novembro. E vamos ser felizes. Outra vez. Podes vir, sem medo de chorar. Temos a mesa posta e o coração pronto.
In JM

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Política social - Centro Comunitário de São Martinho

A política que interessa aos cidadãos não é aquela que se limita a criar poder, atirando para o fim das prioridades a essência da política que é a missão de estar ao serviço da pessoa humana, privilegiando as suas necessidades sociais mais básicas.
Os partidos discutem estratégias, os parlamentos debatem propostas e os governos implementam políticas, todavia, quem vive dentro da realidade social dos cidadãos, quem actua no dia-a-dia são os técnicos que trabalham nas instituições desta área de intervenção.
Eles pensam e estruturam as formas de actuação, agem perante as situações que encontram todos os dias na rua, nas escolas e nas casas das famílias mais desfavorecidas.
O Centro Comunitário de São Martinho é uma destas instituições públicas de intervenção social com um trabalho de grande qualidade que representa o último recurso para algumas das famílias desajustadas da sua área de jurisdição.
A equipa é constituída por verdadeiras profissionais que dão o seu melhor em busca de soluções. Procuram criar um elo de ligação com estas famílias, algumas em situação de marginalização, através do diálogo, de visitas ao domicílio, com actividades culturais, de formação e através de projectos em parceria com outras instituições.
Fazem um excelente trabalho psicopedagógico com os jovens, acompanhando a sua evolução e comportamento na escola, procurando recuperar os laços de unidade familiar e inter-relacional perdidos entre eles e a própria sociedade, criando novos símbolos de integração social e promovendo atitudes de solidariedade. Encontram ali um local de estudo, oficina de aprendizagem, teatro, dança e desporto. Procuram incutir regras e atitudes de cidadania.

In DIÁRIO


quinta-feira, 18 de novembro de 2010

PS propõe cortes drásticos na CMF

A proposta inclui vários pontos por onde a autarquia poderia aumentar as receitas em 2011.
O Partido Socialista (PS) vai apresentar várias propostas para o Orçamento da Câmara Municipal do Funchal (CMF) para 2011, pela iniciativa do seu vereador Rui Caetano, que aposta em reduzir as "despesas supérfluas" e em aumentar a receita.
Num tempo de crise, a ideia socialista é modernizar a organização interna na CMF e inovar a intervenção política da autarquia, por exemplo "apostando em parcerias, em projectos inter-municipais e que invista , sem complexos, em novas responsabilidades do ponto de vista social e económico".
Rui Caetano enumera 12 propostas, entre as quais "negociar com o Governo Regional a compensação pelas verbas que a autarquia perde em IMI", devido ao estatuto de utilidade turística dado a empresas e que retira verbas à CMF; propõe a redução em 25% do custo da organização da Feira do Livro, do Festival de Cinema e das festividades do Dia da Cidade; e reduzir para um único dia o Funchal Jazz ou apostar mais nos artistas madeirenses, evitando pagar mais custos com artistas de fora.
Por outro lado, pega pela possível indemnização ao proprietário do Minas Gerais para o transformar num pagamento das ilegalidades cometidas e dos atrasos verificados; tal como a cobrança de uma taxa extraordinária aos proprietários do Dolce Vita, por ocupação abusiva da via pública na construção de acessos a estacionamentos do centro comercial; indo até à ideia de renegociar o contrato com a Valor Ambiente, que se fixará numa redução de 50% da actual taxa fixa e de 25% do valor por tonelada de lixo.
Na área desportiva, propõe não apoiar qualquer torneio de golfe, que este ano custaram 60 mil euros à Câmara. As mais lucrativas deverão ser a exigência ao Governo Regional do pagamento dos mais de 3,4 milhões de euros ainda não cumpridos do contrato-programa de 2010 e ainda continuar a insistir com o Governo da República a transferência de 4,5 milhões da dívida, mais juros de mora, respeitante à taxa variável de 5% de IRS acumulada desde Março a Dezembro de 2009.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

'Autonomia Aberta' leva Serrão para o terreno

PS-M já pensa em 2011. Este fim-de-semana inicia visitas a todas as freguesias

Estar com as pessoas, conhecer as suas preocupações e recolher contributos para o futuro programa de governo. É esta a ideia que está na base da mais recente iniciativa do Partido Socialista na Madeira. A equipa de Jacinto Serrão já tem tudo organizado. As actividades de campo começam este fim-de-semana em Machico, um concelho emblemático para os socialistas madeirenses. Depois, ao longo dos próximos meses, a iniciativa repete-se por outras freguesias e outros concelhos.
O presidente do partido assume que este projecto procura envolver os cidadãos eleitores num processo de mudança. Diz mesmo que vai falar com as pessoas e as instituições locais numa perspectiva de perceber quais as reais necessidades de cada localidade. Tomará nota das sugestões e disso dará conta, posteriormente, a André Escórcio, o líder parlamentar do PS que foi incumbido de traçar as linhas programáticas essenciais do programa de governo que o PS vai apresentar nas eleições regionais do próximo ano ao eleitorado madeirense.
"Serão fins-de-semana intensos", perspectiva Jacinto Serrão, preparado para longas jornadas junto dos cidadãos por toda a Madeira, em acções de rua e contactos com as organizações locais e militantes do partido. Paralelamente serão feitos panfletos com informação sobre a actividade do PS no que toca a cada concelho em particular.
O convite para os militantes machiquenses, os primeiros a receber esta iniciativa, já seguiu. Jacinto Serrão fez chegar uma carta onde explica o objectivo do projecto 'Autonomia Aberta' e lembra que o arranque é naquele concelho já sexta, sábado e domingo.
Serrão explica ainda que além do povo anónimo, pretende ouvir em cada concelho os autarcas socialistas, os deputados eleitos, se for esse o caso, e todos os que tenham algo a acrescentar ao programa eleitoral genérico que o PS está a elaborar.


In DIÁRIO

terça-feira, 16 de novembro de 2010

DIÁRIO de Notícias - Madeira é "Jornal Europeu do Ano" - MERECIDO!!


O DIÁRIO de Notícias da Madeira foi um dos principais distinguidos da 12.ª edição da ‘European Newspaper Award’, cujos vencedores foram anunciados há pouco no site daquela prestigiada organização.
O nosso jornal foi distinguido com o título ‘Jornal Europeu do Ano – Categoria Local’, uma distinção inédita na história do jornalismo da Madeira que surge na sequência de uma série de menções honrosas, em anos anteriores, que premiaram o conceito gráfico do DIÁRIO.
O júri da 12.ª edição da ‘European Newspaper Award’ distinguiu também o jornal norueguês ‘Bergens Tidente’ (categoria regional) e o ‘Politiken’, da Dinamarca, na categoria dos jornais nacionais. Os reconhecimentos especiais foram para os irlandeses do ‘Gaelscéal’ e para edição preparada para o ‘iPad’ dos alemães do ‘Frankfurter Rundschau’.
Outras publicações portuguesas foram alvo, este ano, de menções honrosas. É o caso do semanário Expresso e o diário ‘i’.
Para chegar às conclusões reveladas há pouco, o júri do ‘European Newspaper Award’ – composto por 12 jornalistas, designers e investigadores de oito nacionalidades – analisou um total de 219 jornais de 27 países europeus. Os trabalhos decorreram durante dois dias em Dusseldorf, na Alemanha.
Na declaração de voto difundida no sítio da 12.ª edição da ‘European Newspaper Award’ é feita uma referência ao “charme especial” que as edições do DIÁRIO projectam através de um grafismo moderno. Leia mais detalhes na edição impressa do DIÁRIO desta terça-feira.

In DIÁRIO

domingo, 14 de novembro de 2010

José Tolentino Mendonça - Uma grande viagem começa por um só passo: Um pequeno conforto

A história é esta: uma mulher vai a uma pastelaria de um centro comercial encomendar um bolo para o aniversário do filho. Como qualquer um de nós faria, deixa lá o seu nome e um contacto telefónico. Só que, exactamente na manhã do aniversário, o miúdo é atingido por um automóvel, entra em coma e morre. O pasteleiro não faz ideia do que se passa. Sabe apenas que aquela mulher encomendou um bolo que não veio buscar. Começa a persegui-la nos dias seguintes com chamadas anónimas.
A mulher, por um acaso, descobre que é ele o autor dos telefonemas e, em pleno trauma pela morte do filho, decide ir com o marido ao Centro Comercial dar-lhe uma lição. No primeiro momento do encontro só se vê, de facto, o confronto da ira dela com o ressentimento do pasteleiro. Mas quando Ann diz o que ele não sabe, a fúria descongestiona-se dando lugar a outra coisa.
«- Deixem dizer-lhes a pena que sinto - disse o pasteleiro, pondo os cotovelos em cima da mesa. - Só Deus sabe quanto lamento. Oiçam lá, eu sou apenas um pasteleiro. Não pretendo ser outra coisa…Isso não vai justificar aquilo que fiz, eu sei. Mas sinto profundamente…Têm de compreender que tudo se resume ao facto de eu já não saber como actuar. Por favor, deixem-me perguntar-lhes se posso encontrar perdão nos vossos corações?».
Fazia calor na pequena pastelaria. Ann e o marido tiraram os casacos. O pasteleiro colocou umas chávenas sobre a mesa. Eles sentaram-se. E, muito embora estivessem cansados e angustiados, começaram a ouvir o que aquele homem tinha para dizer.
«-Provavelmente, precisam de comer alguma coisa - disse o pasteleiro. - Espero que comam uns pãezinhos quentes, feitos por mim. Têm de comer e enfrentar a situação. Comer dá um certo conforto, numa ocasião como esta - disse ele».
Continuavam a escutá-lo. Comiam agora devagar um pão escuro e perfumado que o homem lhes abriu, sentiam com surpresa o seu gosto retemperador e delicado. Pela madrugada dentro, deixaram-se ali a conversar. As luzes fluorescentes do estabelecimento foram substituídas pela luz da manhã, que começou a escorrer pelas janelas.
Gosto muito deste conto de Raymond Carver e já o tenho repetido. O que aprecio nele é sobretudo mostrar como as cenas da vida quotidiana, mesmo as mais dramáticas, nos podem abrir aos grandes espaços da experiência interior.
As palavras criam um clima de acolhimento e escuta. O alimento consola, enxuga as lágrimas. Dentro das personagens acontece uma espécie de ressurreição. De facto, quando a gente aceita que mesmo sobre aquilo que nos parece imperdoável há mais do que um ponto de vista, ou quando compreendemos que, em grande parte das situações, mais do que premeditação o que existe é ignorância, então estamos prontos para encontrar perdão nos nossos corações.
Torna-se finalmente claro que o conforto que falta à nossa vida é bem mais pequeno do que supomos.
Basta-nos o conforto de atravessar ao lado de outros a nossa noite e assistir aí, esperançados, à chegada da manhã.
-
Mais um belíssimo texto do José Tolentino Mendonça que nos faz reflectir e olhar o mundo de um modo diferente.

DOSSIER EMPREGO - DIÁRIO

Durante uma semana o DIÁRIO procurou escalpelizar o dossier Emprego. Um trabalho que nos levou a contactar os vários figurantes de um cenário que não se mostra nada atraente, nem positivo, em que as queixas são demasiadas e as perspectivas esbarram num pessimismo exagerado a que não está alheia a situação política e económica do País.
Mesmo assim há esperança e há, sobretudo, vontade de mudar este cenário. A esperança é a última a morrer e a sabedoria popular aplica-se bem neste momento.
-
LEIAM O DOSSIER EMPREGO NO DIÁRIO DE HOJE AQUI: DIÁRIO
-
Excelente trabalho jornalístico do DIÁRIO. Construtivo, abrangente, profundo e com enorme qualidade.

sábado, 13 de novembro de 2010

Em França, Governo demite-se!


GR é irresponsável ao autorizar extracção de inertes na Ribeira Grande

Vereador Rui Caetano pronunciou-se sobre decisão do executivo à revelia da câmara do Funchal.
O vereador do PS na câmara do Funchal acusou hoje o Governo Regional de negligência e irresponsabilidade ao autorizar a extracção de inertes da ribeira de Santo António à revelia do município da capital madeirense.
Rui Caetano falava numa conferência de imprensa junto àquele curso de água nas zonas altas de Santo António, considerando que a extracção de inertes é "mais um exemplo vivo dos erros que continuam a ser cometidos na Madeira do ponto de vista ambiental e do urbanismo".
O autarca salientou que o relatório final sobre os aluviões apresentado esta semana pelo Governo Regional como sendo a "carta magna do que se iria fazer daqui para a frente, declarando tolerância zero" em matéria de construções junto das ribeiras, afinal "apenas serviu para esconder os erros cometidos no passado e o que está a ser feito hoje".
"O que se está a fazer na ribeira de Santo António é um crime que está a ser feito nas costas da câmara do Funchal", disse Rui Caetano.
"Consideramos que é gravíssimo, uma negligência demasiado grave para ser verdade e é preciso assumir as suas responsabilidades", acrescentou.
Para o vereador socialista, o referido relatório "foi apresentado para resolver os problemas, não pode ser enfiado dentro da gaveta e a ser retirado apenas para hastear a bandeira da exigência e rigor na teoria, porque na prática não está a servir rigorosamente para nada".
Rui Caetano sustentou que "está a servir para que se cometam a mesmas ilegalidade de forma mais grave", criticando o Governo Regional por ter autorizado esta "extracção de inertes de forma negligente e irresponsável da ribeira de Santo António, contra a vontade, parecer e argumentos da câmara".

In DIÁRIO



Aung Suu Kyi finalmente às portas da liberdade

Finda período de 18 meses de prisão domiciliária. Principal incógnita reside na forma como irá prosseguir o combate político
A líder da oposição birmanesa e Nobel da Paz em 1991, Aung San Suu Kyi, poderá pisar hoje as ruas de Rangum como pessoa livre, ao expirar a mais recente pena de prisão domiciliária a que foi condenada, em Maio de 2009, pela Junta Militar no poder.
In DN

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Sondagem dá sete pontos de vantagem ao PSD sobre o PS

O Partido Socialista voltou a cair nas intenções de voto. O PS perdeu 5,3 pontos em relação ao mês passado, ficando-se agora pelos 30 por cento, seguindo um sentido contrário ao do PSD, que subiu para 36,9 por cento, de acordo com um estudo realizado pela Eurosondagem para a Rádio Renascença, Expresso e SIC.
O mesmo barómetro volta a colocar o CDS-PP como o terceiro maior partido, com uma subida de 1,3 pontos percentuais para os 9,3 por cento nas intenções de voto. O Bloco de Esquerda fica muito próximo do CDS-PP, ao subir 1,4 pontos para os 9,2 por cento. A CDU regista uma subida de 0,4 pontos percentuais para os 8,8 por cento nas intenções de voto.

In PÚBLICO

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Apelo de "tolerância zero" do GR é "esponja" para apagar irresponsabilidade na construção

O vereador do PS na câmara do Funchal, Rui Caetano, considerou que o relatório final de avaliação do risco de aluviões na região apresentado pela Vice-Presidência do Governo Regional parece "uma esponja para apagar" a irresponsabilidade.
O autarca salientou em conferência de imprensa que o relatório está "consistente e fundamentado" como se o executivo madeirense "tivesse descoberto a pólvora", quando durante décadas especialistas alertaram para os riscos graves que estavam a ser cometidos do ponto de vista do urbanismo, ambiente e segurança das pessoas, que foram "desprezados e espezinhados".
O vice-presidente do Governo Regional da Madeira, João Cunha e Silva (PSD), apelou na quarta-feira às autarquias que tenham "tolerância zero" para com o licenciamento de empresas ou fábricas junto de zonas de risco, designadamente nas margens das ribeiras.
"Não conseguimos perceber como o vice presidente vem de uma forma muito directa acusar câmaras por esses licenciamentos", disse, por seu lado, o vereador socialista.
Para Rui Caetano, é necessário "assumir a responsabilidade de todas as construções junto das ribeiras que têm que ter aval do Governo e dos Serviços de Hidráulica".Segundo Rui Caetano, "se foram feitas é porque o Governo deu também parecer favorável".
Dado que a vice presidência também "tem a tutela das câmaras, se diz que foram feitas aquelas ilegalidades todas, se correram aqueles riscos todos, deveria usar o seu poder e intervir para impedir que isso acontecesse".
"Não disse rigorosamente nada e não pode vir como salvador e com um relatório que parece que é uma esponja para apagar tudo o que foi feito de ilegal até agora. Quem vai assumir a responsabilidade do que foi feito até agora?", questionou.
O apelo do governante madeirense foi feito na sessão de apresentação do "Estudo de Avaliação do Risco de Aluviões na Ilha da Madeira", um trabalho conjunto de especialistas do Instituto Superior Técnico, da Universidade da Madeira e do Laboratório Regional de Engenharia Civil.


Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco - Escolas contribuem para o Ambiente

A Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco realizou na manhã de ontem a cerimónia do hastear da bandeira verde (Eco-Escolas). O galardão referente à participação no programa de âmbito nacional no ano lectivo 2009/2010 é a oitava bandeira conseguida consecutivamente por aquela escola do Funchal.
Rui Caetano, presidente do Conselho Executivo do estabelecimento de ensino, referiu que a bandeira ontem hasteada significa "o reconhecimento pelo trabalho de toda a escola (alunos, docentes e funcionários) em termos ambientais e de desenvolvimento sustentável. O responsável agradeceu o empenho de todos e pediu para que continuem a lutar pela protecção do ambiente. "Ganhamos nós, ganha a natureza, ganha o ambiente".
Já o director regional do Ambiente, João Correia, enalteceu o envolvimento daquela escola no programa, principalmente tendo em conta a dimensão e elevado número de alunos, o que dificulta o desenvolvimento do projecto. "É uma escola referência ao nível regional", acrescentou. O director regional exortou ainda os alunos para que seja dada continuidade ao programa Eco-escolas e para que todos continuem a "contribuir para que o Ambiente na Região seja cada vez melhor".
No ano lectivo anterior, 122 escolas da Região candidataram-se ao programa eco-escolas. 101 receberam a bandeira verde.

In DIÁRIO

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Estudo aponta para a eventual necessidade de remover habitações- Áreas de actividade humana com atenção especial

O relatório final do "Estudo de Avaliação do Risco de Aluviões na Ilha da Madeira" será hoje apresentado na Secretaria Regional do Equipamento Social.
Em causa está um estudo científico que reuniu especialistas do Instituto Superior Técnico (IST), da Universidade da Madeira (UMa) e do Laboratório Regional de Engenharia Civil e que incidiu sobre as três grandes ribeiras do Funchal e as ribeiras da Ribeira Brava e Tabua.



In DIÁRIO
-
As conclusões deste estudo vêm demonstrar a incompetência, a negligência, os crimes urbanísticos e políticos que foram cometidos ao longos dos anos da governação PSD, na nossa MADEIRA.
Sempre houve técnicos especialistas, professores universitários, associações ambientais, cidadãos comuns e órgãos de comunicação social a alertar para os perigos de determinadas obras junto aos leitos das ribeiras entre outras situações de perigo. Mas o poder regional preferiu adoptar a prepotência e desse modo desprezou e ofendeu quem tinha sentido de responsabilidade e quem se preocupava com a segurança das pessoas e dos seus bens. O resultado está à vista de todos.
E este relatório é a prova mais evidente.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco hasteia Bandeira Verde


Amanhã, pelas 10 horas, na Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco, decorrerá a cerimónia do hastear da Bandeira Verde, com a presença do director regional do Ambiente, Galardão Eco-Escolas 2009/10 que aquele estabelecimento de ensino conquistou.
O mesmo é uma forma de reconhecer o trabalho desencadeado pela Escola Gonçalves Zarco na melhoria do seu desempenho ambiental e na sensibilização para a necessidade de adopção de comportamentos sustentáveis.

Este acto simbólico é o reconhecimento do esforço e do trabalho de toda a comunidade escolar, alunos, professores e funcionários, diz o presidente do Conselho Executivo, Rui Caetano.

Jornalista do DIÁRIO agredido pelo presidente do Marítimo

O jornalista do DIÁRIO foi agredido pelo presidente do Marítimo, quando fazia a cobertura jornalística do treino matinal no Complexo Desportivo em Santo António.
Carlos Pereira terá se dirigido a Marco Freitas no momento, em que o jornalista assistia ao treino, na companhia de dois outros colegas de profissão, com um tom agressivo a pedir explicações.
O jornalista foi assistido no Hospital Dr. Nélio Mendonça a escoriações na zona do pescoço.
A Empresa Diário de Notícias e a Direcção do DIÁRIO tomarão posição pública sobre este grave incidente ainda hoje.
Saiba mais desenvolvimentos sobre este assunto, amanhã, na edição impressa do DIÁRIO e nos noticiários da TSF.

In DIÁRIO
-
O desespero já resulta em violência e agressões! A Madeira Nova deu nisto!!

Escolas lutam contra a fome

Sete escolas do 1.º ciclo das zonas mais pobres do concelho de Sintra vão passar, já a partir deste mês, a abrir as cantinas ao fim de semana e nas férias para que os alunos possam continuar a ter pelo menos uma refeição quente por dia quando não há aulas.
No final do passado ano letivo, cinco já tinham aberto os refeitórios ao sábado e ao domingo, depois de os professores perceberem, no início de cada semana, que muitas crianças pouco tinham comido desde a sexta-feira anterior. E nas cantinas apareciam famílias inteiras.
"Mais de cem alunos vinham almoçar ao fim de semana. Muitos traziam pela mão os irmãos mais pequenos que ainda nem sequer estavam em idade escolar. E os mais velhos, que já tinham deixado de estudar, também apareciam. Não negávamos almoço a ninguém", recorda Ivone Calado, diretora do Agrupamento de Escolas da Serra das Minas, em Rio de Mouro.
Agora a pobreza agravou-se ainda mais. O número de cantinas abertas todos os dias vai aumentar. E já não chega dar refeições em tempo de aulas. "Não podemos arranjar uma solução para que as crianças almocem ao fim de semana, esquecendo que durante os 15 dias das férias do Natal, por exemplo, muitas ficam quase sem comer. Teremos de abrir aí também", diz o vice-presidente da Câmara, Marco Almeida.
Escolas viram instituições de solidariedade social
Sintra, onde se vive uma das situações mais problemáticas do país
está no entanto longe de ser caso único. Um pouco por todo o país, cada vez mais crianças chegam à escola com fome e é de estômago vazio que tentam aprender. Pouco ou nada comeram de manhã. Pouco ou nada jantaram na noite anterior. Sentam-se irrequietas, estão desconcentradas e algumas queixam-se de dores de barriga.
Há alterações de comportamento associadas à fome que os professores já aprenderam a detetar e que garantem serem mais notórias este ano letivo. Com a crise, os estabelecimentos de ensino desdobram-se em soluções para o problema. As escolas são cada vez mais instituições de solidariedade social.
Em Setúbal, a autarquia pondera igualmente manter algumas cantinas escolares a funcionar fora dos dias de aulas, antecipa a presidente de Câmara, Maria das Dores Meira. "Muitos meninos chegam ávidos à segunda-feira e querem repetir o prato duas ou três vezes. A contar com isso, algumas cantinas já aumentam a quantidade de comida feita nesse dia", conta.
Também na Trofa, onde quase 50% dos alunos são carenciados, ou em Faro, onde o número de refeições gratuitas servidas nas escolas aumentou 15% este ano letivo, por exemplo, as Câmaras estão a estudar medidas.
Crianças encobrem a pobreza
Mas mesmo quando não há apoios extra do município ou do Ministério da Educação, muitos estabelecimentos de ensino fazem tudo para minimizar as carências alimentares de algumas crianças. Na secundária de Pinhal do Rei, na Marinha Grande, a fruta e o pão que sobram dos almoços são distribuídos aos alunos mais pobres.
Já o Agrupamento de Escolas de Sesimbra até providencia o jantar nos casos mais graves. "A família e as crianças têm, muitas vezes, vergonha de pedir ajuda. Tivemos um caso em que teve de ser a vizinha a vir à escola dizer que uma menina não jantava e quase não tomava o pequeno-almoço. A mãe estava de baixa médica há bastante tempo e o pai ficou desempregado. Além do almoço, passámos a dar-lhe um suplemento de manhã, o lanche e a embalar-lhe jantar para levar para casa", conta a diretora, Ana Paula Neto.
Apesar de graves, muitos casos não são fáceis de detetar. "As crianças aprenderam a encobrir a sua pobreza", explica Sandra Santos, assistente social no Agrupamento de Escolas da Damaia (Amadora), onde 60% dos alunos são carenciados. Por vezes, não confessam o problema aos professores, mas pedem ajuda aos amigos da turma. "Notámos, por exemplo, que havia alunos que não comiam o pão do almoço ou a sandes do lanche, mas que os guardavam. Ficámos atentos e percebemos que iam discretamente ao pátio dar o que não comeram a um colega que lhes tinha pedido para poder levar para casa. De alguns desses casos nem sequer tínhamos consciência", diz.
O Conselho Geral do agrupamento reuniu-se esta semana e decidiu fazer um levantamento de todos os casos de fome. No passado ano letivo, havia 20 alunos sinalizados por carências alimentares. Agora são mais, garante a assistente social. Por isso, professores e funcionários da escola estão a montar de raiz um banco alimentar, levando arroz, massa e outros produtos para poderem distribuir pelos alunos.
Mas a pobreza não se manifesta apenas na alimentação. Dois meses após o começo das aulas, há turmas do 3.º ciclo onde metade dos alunos ainda não tem os manuais. O problema é que muitas famílias de classe média deixaram de conseguir assegurar esta despesa, mas não beneficiam da Ação Social Escolar. O subsídio do Estado é dado com base na declaração de rendimentos do ano anterior, o que faz com que acabem por não estar abrangidos casos de pais que em 2009 tinham uma situação económica mais equilibrada, mas que recentemente perderam o emprego.
Manuais só no Natal
Mas mesmo quando os alunos beneficiam dos apoios e têm os os livros comparticipados, os pais têm primeiro de avançar com dinheiro e só depois ir à escola com a fatura para receberem o cheque com a comparticipação. Acontece que muitos não têm o que avançar. Na papelaria do bairro, mesmo em frente à escola de pavilhões brancos imaculados, muitas encomendas de manuais feitas pelos encarregados de educação em junho continuam por levantar. Há pais que prometem ir buscá-los quando receberem o subsídio de Natal. Outros que, no final de cada mês, vão buscar mais um livro para os filhos estudarem.
Na Madeira, acontece o mesmo. Perante as dificuldades, "muitos professores compram o material escolar do seu próprio bolso e oferecem-no aos alunos", conta Rui Caetano, diretor da básica e secundária Gonçalves Zarco, no Funchal. A fome também já se faz sentir. "A situação é dramática. De manhã os miúdos queixam-se de dores de barriga porque se levantaram às sete e só comem às dez, quando distribuímos uma sandes", revela.
Um pouco por todo o país, o cenário não é muito diferente. Há famílias com muito pouco no bolso e crianças com quase nada no estômago. Com os cortes salariais e outras medidas de austeridade a começar em janeiro, o inverno só virá piorar as coisas. E com ele chega o frio, que também pode ser austero. Muitas escolas, transformadas em instituições de solidariedade, já estão a pensar como resolver mais este problema. "Estamos a fazer recolhas de roupa para dar aos alunos. Há dias em que já aparecem encolhidos de frio, só com uma camisolinha e pouco mais", descreve Luís Dias, diretor do Agrupamento Luís António Verney, em Lisboa.

Ação social escolar
506 milalunos são apoiados pelo Estado este ano letivo, mais 18 mil do que em 2009/2010, segundo uma estimativa do Ministério da Educação
€141é o valor da comparticipação do Estado para a compra de manuais escolares no caso dos alunos mais carenciados do 9º ano. No total, os livros para esse ano de escolaridade custam cerca de 200 euros
6,4 milhõesde euros é quanto o Ministério da Educação deve à Câmara Municipal de Sintra por serviços prestados aos alunos, nomeadamente refeições, enriquecimento curricular e prolongamento de horário
In EXPRESSO

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Marcelino Andrade pede ao Governo que não faça um novo hospital mas um bordel

"Com o devido respeito que eu tenho pelas senhoras que me ouvem e pelas minhas colegas, uma das coisas que eu queria pedir era que houvesse serenidade, porque se os médicos começam a vir para a praça pública discutir como estão a discutir, era melhor pedir ao Governo que não faça um hospital mas que faça um bordel.
A gente tem de discutir as coisas é dentro da nossa casa". Foi desta forma que Marcelino Andrade, médico ortopedista e hoje chefe-de-equipa da especialidade no serviço de urgência reagiu à greve decretada naquele serviço hospitalar.
-
Como é possível? Mas que linguagem, que prepotência, que abuso de poder, que desprezo que vergonha, comparar o HOSPITAL a um bordel. Este PSD está desesperado e não respeita ninguém.

domingo, 7 de novembro de 2010

José Tolentino Mendonça - Crónica: Sonata de Outono

E o Outono vai-se instalando. A princípio nem parece uma estação. É quase um estado de alma, este tempo assim um pouco vago, em declive delicado, com a chuva ainda rala (mesmo se em alguns dias chega por aí aos tropeções) e o vento que parece um miúdo a aprender a assobiar. Olhamos com íntima estranheza para a brevidade destes primeiros dias, dos quais já não nos lembrávamos. Nas árvores, as folhas tremeluzem, indecisas e iluminadas, transmutadas em incríveis tonalidades. Os frutos têm perfume e sabores densos, tão diferentes daqueles que se saboreiam no verão.

Lembro-me de um poema de Miguel Torga, que gosto de pôr a tocar como uma pequena sonata de Outono:O que é bonito neste mundo e anima,é ver que na vindimade cada sonhofica a cepa a sonhar outra aventura...E que a doçura que se não provase transfiguranuma doçuramuito mais purae muito mais nova

Neste arranque de Outono, deixo-me demorar nas palavras: "a doçura que se não prova". Tendo o privilégio de acompanhar a vida de muitas pessoas, sei que esta não é uma questão que se possa iludir. Há um momento na nossa vida, ou há momentos nela, em que fazendo um balanço, sentimos que ficámos aquém dos nossos próprios sonhos. Há dias e estações da nossa vida em que nos sentimos mendigos de nós mesmos. Esperávamos isto e aquilo que não aconteceu.

Desejávamos uma plenitude, uma fulgurância, um clarão e o que temos é uma estreita e baça normalidade. Sentimo-nos, sem saber bem como, a viver sob tectos baixos. Há uma espécie de doçura prometida que nos escapa, que fica adiada, que começamos talvez a julgar que já não será para nós, tão inacessível nos assoma.
Por vezes, este sentimento vem aos 70 ou aos 40 anos. Mas também surge aos 20 ou aos 30. Recordo aquela frase terrivelmente verdadeira de um romance autobiográfico de Marguerite Duras: «Muito cedo na minha vida foi tarde de mais». Esta difusa melancolia, este sentir que a luz que interiormente nos alumia se tornou fosca e sem alcance são experiências muito alargadas. Por isso se diz que não dependem propriamente da idade os Outonos interiores que atravessamos.

Existem é modos diferentes de encarar essa experiência, que, no fundo, nos é tão intrínseca e comum. Podemos desistir simplesmente de esperar, e largamos a vida no parque de estacionamento do pragmatismo mais raso. Podemos trocar a doçura que não conseguimos, por um tipo de acidez quotidiana, uma desconfiança sistemática a que nada nem ninguém escapam, e que se vai espalhando, entre a ironia e o desalento, contaminando tudo. Ou podemos, e esse é o olhar mais necessário, perceber que «a doçura que se não prova/se transfigura numa doçura/muito mais pura/e muito mais nova».

O Outono não é, portanto, o fim da história. Se o soubermos agarrar, é sim um ponto de partida avançado, que nos permite essa coisa urgente que é a "transfiguração" da vida, através de um paciente e esperançoso trabalho interior.

sábado, 6 de novembro de 2010

A hipocrisia do dr. Alberto João!!

O dr. Alberto João acusou o Estado de ser uma fraude e de ser ladrão. Diz que o Estado é "Um ladrão porque tira as reformas a pessoas que descontaram toda uma vida." Mais um embuste deste senhor!!
Ora, vejam lá este senhor presidente do PSD. Quando o Governo da República aplicou as medidas de terminar com os dois últimos escalões do abono de família, o dr. Alberto aplicou na Madeira sem pestanejar, sem apresentar uma compensação às famílias. Quando o mesmo governo decidiu cortar com os ordenados da função pública, o dr. Alberto apressou-se a dizer que iria aplicar a mesma medida sem compensar os prejudicados.
Quando este mesmo governo aumentou os impostos, lá foi de novo o dr. Jardim ceder sem questionar e aumentou também os impostos.
AGORA, quando decidem acabar com os duplos ordenados, isto é, quem recebe uma reforma mais o ordenado terá de optar por um só vencimento, como esta medida toca no bolso do dr. Jardim e de alguns dos seus acólitos, recusa-se a aceitar. Chama-os de ladrões e afirma que não vai ceder e vai mandar o Estado para o tribunal. HIPOCRISIA!

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

JSD-M DESPERDIÇA DINHEIROS COM SEDE DE CAMPANHA!

Um dos candidatos à liderança da JSD-Madeira inaugurou uma sede de campanha!!UMA SEDE DE CAMPANHA PARA UMA CANDIDATURA À JSD???? MAS QUE GENTE POUPADA, MAS QUE BRILHANTES IDEIAS PARA RESOLVER OS PROBLEMAS DOS JOVENS? OS PPDs só sabem esbanjar e desperdiçar!!

Jardim chama “ladrão” ao Estado por não lhe permitir acumular reforma

O presidente do governo regional da Madeira, Alberto João Jardim, acha que o Estado português “é ladrão” porque não permite a acumulação de pensões de aposentação com qualquer tipo de salário no sector público.
A solidariedade e o sentido de justiça social do dr. Jardim existe apenas dentro do seu umbigo e dali não sai. Despreza os madeirenses e todos os portugueses que estão em dificuldade e que nem um ordenado recebem!

INVEJA!!

Estou a reler o livro "As Lições de Gestão dos Clássicos", lições inspiradoras de Alexandre, o grande, Júlio César e de outros grandes líderes da Grécia e da Roma Antigas e, entre outras lições de enorme valia, encontrei uma frase de pormenor, mas significativa: "A inveja consome o invejoso como a ferrugem o ferro."

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Indisciplina vai ser acompanhada

Na escola Gonçalves zarco ninguém será suspenso por indisciplina.
A Escola Gonçalves Zarco encontrou formas alternativas de intervir na área disciplinar.

Embora o estatuto do aluno dite a suspensão como castigo, aquela escola quer intervir de modo construtivo, não aplicando a nenhum aluno a medida de suspensão. Esta, entende Rui Caetano, não resolve o problema da indisciplina, uma vez que apenas deixa os alunos abandonados na rua ou em casa sem nenhum acompanhamento.
É por isso que a medida de suspensão vai ser substituída pela de acompanhamento, que ficará a cargo dos professores e de técnicos especializados.
Rui Caetano, presidente do Conselho Executivo, refere que o projecto 'Experiência Positiva' tem por objectivo específico combater a indisciplina na escola, dentro e fora da sala de aulas, e assume-se como alternativa à medida de mandar os alunos para casa 5 ou 10 dias, como o prevê o Estatuto do Aluno.
"Na nossa escola não vai ninguém para casa como castigo, porque quando isso acontece o aluno fica só e, quando regressa, chega igual ou pior".
Para criar uma alternativa, a Escola Gonçalves Zarco conta com os professores e estabeleceu ainda parcerias com diversas entidades públicas, como o Centro Comunitário da Nazaré, o Centro de Saúde do Bom Jesus, e a Associação Aura, que vão disponibilizar apoio especializado e técnico, através de médicos, enfermeiros, psiquiatras e psicólogos.
Rui Caetano explica que os alunos indisciplinados provêm, na maior parte dos casos, de famílias com problemas sociais de vária ordem. Por isso, é que alguns pais chegam mesmo a pedir ajuda à escola porque não sabem o que fazer para melhorar o comportamento dos filhos.
O presidente do Conselho Executivo salienta que os casos de indisciplina atingem os alunos do 7º e 8º ano, mas aqueles que são mais preocupantes têm origem nos alunos do 2º ciclo, com 10, 11 e 12 anos.

ALTAMENTE: um projecto para combater o abandono escolar
Ontem também foi apresentando o projecto 'Altamente', que tem por objectivo essencial combater o insucesso e o abandono escolar.
É um projecto já com dois anos e com resultados comprovados, que faz o acompanhamento dos alunos através de tutores, que tentam incutir a ideia da importância do estudo.
Paralelamente, é um projecto que visa disponibilizar orientação sobre os melhores métodos para obter bons resultados escolares. Os tutores assumem, assim, um papel de pai e de mãe, que muitas vezes não é desenvolvido em casa pelas mais variadas razões.
Rui Caetano referiu, ainda, que paralelamente aos dois projectos ontem apresentados, na área do insucesso e do abandono escolar, e na área da indisciplina, está em estudo um outro que visa abordar o 'bullying' de forma preventiva.
Explica, a propósito, que até agora não existem casos de 'bullying' na Escola Gonçalves Zarco. Mesmo assim, está a ser preparado um projecto, em parceria com outras entidades e com apoios da União Europeia, que permitirá trabalhar o 'bullying' de uma forma preventiva.

Fenprof prevê desemprego para milhares de professores

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) já fez as contas e avança que cerca de 30 mil horários de professores serão eliminados, caso não haja alterações à proposta de Orçamento do Estado para 2011. "A federação pede esclarecimentos à tutela sobre o impacto das medidas previstas.
De acordo com as “Medidas de Racionalização de Recursos” previstas para a Educação, que se prevê tenham um impacto de 0,4% do PIB (redução de 803 Milhões de euros), o futuro de muitos milhares de professores será o desemprego, apesar de fazerem falta às escolas para que funcionem e ao sistema para que atinja as metas estabelecidas", refere a federação em comunicado.
A situação pode chegar aos professores contratados pelas autarquias para as Actividades de Enriquecimento Curricular (AEC), do 1.º ciclo, uma vez que os municípios terão um corte orçamental de cinco por cento. Só nas AEC há cerca de 15 mil docentes contratados como técnicos, contabiliza a Fenprof.
A Fenprof prevê que com o desaparecimento do currículo das disciplinas não curriculares de Estudo Acompanhado e de Área Projecto possam cair 5400 horários. Outros mil serão os dos professores contratados para substituições de longa duração que as direcções-regionais de Educação não estão a autorizar as suas contratações, de maneira que as escolas são "obrigadas" a recorrer a professores dos apoios educativos.
Quanto à medida de obrigar os professores bibliotecários a leccionarem uma turma, levará à redução de cerca de duas centenas de 200 horários. E a Fenprof continua as suas contas incluindo as perdas com o encerramento das escolas, o reordenamento da rede e a criação dos mega-agrupamentos.
Outras medidas que podem levar à redução de horários é a diminuição do número de horas de assessorias às escolas, redução do número de adjuntos, de situações de mobilidade, da eliminação da bonificação na componente lectiva pelo trabalho nocturno, das horas do Plano Tecnológico, etc.
Tudo isto levará a que sejam precisos menos professores nas escolas."Contas feitas, e sem qualquer exagero na contabilização, serão mais de 30.000 horários que poderão ser eliminados, correspondendo a outros tantos docentes, contratados e não só, e sem ter em conta o que poderá acontecer nas AEC.
Recorda-se que, nas escolas, o número de contratados não atinge os 30.000, aguardando a Fenprof uma informação precisa do Ministério da Educação, que já foi solicitada."Além de pedir esclarecimentos à tutela, a federação qier aomda saber como é que com menos professores se pode garantir a qualidade educativa aos alunos que se mantém na escola para completar uma escolaridade de 12 anos; como é que se vão cumprir as metas de redução do abandono e do insucesso escolar, traçadas pela ministra Isabel Alçada para 2015."Conclui-se, que a actual proposta de Orçamento de Estado, a não ser substancialmente alterada em sede de especialidade, para além da extrema gravidade que representa para quem trabalha – redução salarial, congelamento de carreiras e brutal aumento do desemprego – é uma verdadeira mentira, pois estabelece objectivos que, sabe-se à partida, devido às opções políticas em que assenta e às medidas que as concretizam, são inalcançáveis.
Há, por isso, razões para que os professores e educadores se envolvam nas lutas em curso e, para além delas, aprovem lutas que as continuem", justifica a federação.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Escola Gonçalves Zarco apresenta projectos para ajudar a solucionar problemas disciplinares

Com o objectivo de ajudar a solucionar problemas disciplinares do estabelecimento de ensino, a Escola Gonçalves Zarco apresenta esta quarta-feira o projecto Experiência Positiva e a continuidade do Projecto Altamente.
"Estes projectos assumem como objectivo principal intervir na área da indisciplina, mas de um modo construtivo, criando alternativas à medida disciplinar que pune os alunos com a medida da suspensão", revelou em comunicado o presidente do Conselho Executivo da escola.
O mesmo documento acrescenta que a 'Gonçalves Zarco' "pretende não aplicar a nenhum aluno a medida de suspensão da escola. Acreditamos que castigar os alunos com dias de suspensão não resolve o problema da indisciplina, antes pelo contrário, os alunos ficam abandonados na rua ou em casa sem nenhum acompanhamento".

Com o projectos a serem apresentados quarta-feira, pelas 17 horas, na sala de sessões, os alunos da Escola Gonçalves Zarco com problemas de indisciplina vão ser acompanhados pelos professores e por técnicos especializados.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

FALHAMOS TODOS!!!

ESTOU REVOLTADO!!! MAS QUE VIDA É ESTA!!! Contaram-me que mais uma criança se suicidou. Tinha apenas 15 anos.
MAS O QUE É QUE SE PASSA NA MADEIRA?? Os suicídios acontecem a um ritmo procupante e agora até as crianças dão fim à vida!! ISTO ESTÁ TUDO ERRADO!! O que é que fizemos, meu DEUS, o que é que fizemos à SOCIEDADE DE HOJE????

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Reforma da Assembleia une a oposição

Proposta do PS-M inclui Estatuto dos deputados, lei orgânica e regimento da ALM.
A elaboração de um relatório sobre a 'Reforma e Modernização da Assembleia Legislativa ao serviço da Autonomia, da Democracia e dos madeirenses' é o que o Partido Socialista propôs aos outros partidos da oposição e que poderá ser o primeiro acordo significativo, resultante da estratégia de 'Convergência na Acção' da plataforma democrática defendida por Jacinto Serrão.
O líder do PS-M já terá enviado uma proposta de agenda de trabalho para a reforma do parlamento que, segundo foi possível apurar, deverá merecer o apoio da maioria dos partidos da oposição. Desde logo daqueles que se disponibilizaram para analisar as plataformas de entendimento político com o PS-M: BE, PND, PCP e MPT. O CDS foi a força política mais reticente em relação a plataformas, embora mantenha toda a abertura para apoiar medidas ao nível do parlamento regional.
O PS-M propõe a constituição de grupos de trabalho, inicialmente ao nível partidário mas posteriormente com participação da própria Assembleia Legislativa, para analisar os procedimentos noutros parlamentos regionais e propor alterações na ALM.
Estes grupos de trabalho que deverão incluir vários partidos vão elaborar um 'Guia de Boas Práticas legislativas na ALM', a enviar ao presidente do parlamento. Um modelo de trabalho idêntico ao que conduziu à reforma da Assembleia da República.
No âmbito da reforma do parlamento, Jacinto Serrão propõe a revisão de vários diplomas: Lei Orgânica da Assembleia Legislativa; Regimento da ALM; Estatuto dos Deputados; adaptação à Região da Lei do Exercício do Direito de Petição.
O grupo de trabalho também deverá propor um conjunto de práticas ao nível parlamentar que incluem a emissão do Canal Parlamento, alteração do regime de edição do Diário da ALM, regras em matéria de perguntas e requerimentos e práticas de defesa do ambiente, ao nível do edifício do parlamento. Uma lista de alterações idêntica à que foi implementada em São Bento.



In DIÁRIO

Entrevista a FERNANDO SAVATER

Em Espanha é uma voz sensata, um líder de opinião que muitos inspira. Esteve em Portugal para falar de educação e da necessidade de uma revolução profunda.

Entrevista Cristina Margato

Espanha é quase uma figura pop. Não só pela sua atividade política no ¡Basta Ya! (movimento de cidadãos contra o terrorismo), como pelas suas crónicas no “El País” desde a fundação do jornal. Foi também fundador do partido “Unión Progreso y Democracia”.
A entrevista comprovou-o. Fomos várias vezes interrompidos por turistas espanhóis que estavam decididos a não voltar para casa sem uma fotografia ao lado dele. Fernando Savater (San Sebastián, 1947) tem inúmeros livros, alguns mais polémicos do que outros, e é muitas vezes apresentado como filósofo. Ele, porém, prefere apresentar-se como Professor de Ética: um educador, portanto, que esteve em outubro em Lisboa e Faro, a convite da Fundação Francisco Manuel dos Santos, para falar nas Conferências da Educação que o professor Nuno Crato organiza.
E Fala na necessidade de uma revolução, que deve começar pela educação. Em concreto, o que tem de mudar?

Defendo a criação de uma disciplina de Educação Cívica que introduza a capacidade de agir em democracia, Deve haver uma preparação que forme cidadãos capazes de utilizar os mecanismos da democracia. Não se pode esperar que a televisão faça isso. Em Portugal, o ensino público, prevê, desde o básico, a disciplina opcional de Religião e Moral. Nalguns casos, o programa esta orientado para cidadania, embora enraizado nos valores católicos.
O que pensa disso?
Em Espanha, isso aconteceu durante a ditadura. Mas era obrigatório. Com a democracia passaram a existir duas disciplinas: Religião ou Moral/Ética. O meu livro “Ética para um Jovem” (Dom Quixote, 2005) pretendia servir como alternativa à religião. A ética é para todos. Não é exclusiva dos religiosos. Logo, essa opção parece-me um grande equívoco. Deixa de fora os laicos e as restantes religiões. Como a sociedade democrática deve ser laica, não há razão que justifique a presença da religião católica na escola pública. A religião é um assunto privado, que deve ficar na sinagoga, na paróquia, na mesquita.
Deveria extinguir-se a disciplina, mesmo opcional?

Sim. Sem dúvida. Poderia existir uma disciplina de Ética mais filosófica e uma de Ética Cívica.
A partir de que idade?

Tudo se pode explicar desde que a linguagem seja adequada à idade. Aos seis anos já pode ter uma disciplina assim.
Se a escola estivesse organizada em ambiente democrático, os estudantes não poderiam aprender a cidadania pelo exemplo e prática?
A escola não é democrática. Nem deve sê-lo. A escola é a preparação para a democracia. Uma aula é hierárquica. O professor está sempre acima dos alunos. A escola deve estar a preparar os jovens para ser cidadãos. A escola não tem os mecanismos da democracia nem deve ter.
O modelo atual também já não é ditatorial. A escola vive em estado de crise. A escola sempre viveu em crise. Os escritores do século XVIII já falavam nessa crise.
A escola anda sempre atrás da sociedade, na medida em que os professores foram educados no passado e tem de educar para o futuro. Essa crise é a da sociedade. As pessoas que transmitem conhecimento, e preparam o futuro, vêm do passado, e eles próprios estão a lutar para se colocarem à altura da sociedade em que vivem.
Em Portugal, os professores já perderam as suas defesas.
Em Espanha, e noutros países europeus, aconteceu o mesmo. Há uma teoria, uma tendência, que iguala os professores aos alunos e que faz com que os professores percam o respeito dos alunos. Convencionou-se que o professor tem de inspirar respeito dentro da aula. Ora, se o professor tem tanta autoridade como o aluno a aula não funciona.
Fez o prefácio do “Panfleto Anti-Pedagógico” de Ricardo Moreno Castillo, onde ele defende um modelo de professor mais autoritário e, logo, mais antigo.

Moreno Castillo defende um modelo de professor que seja possível dentro de uma sala de aula. As aulas não são uma reunião de amigos nem um recreio. São um lugar onde se transmite conhecimento. Toda a gente aceita e entende que um treinador de futebol dê ordens aos seus jogadores. Já o mesmo modelo numa escola parece que começou a ser (erradamente)
entendido como algo escandaloso.

Sublinha a crescente influência maléfica dos ignorantes no rumo da democracia.
O problema é que numa democracia todos somos políticos. Não há uns especialistas que mandam e outros que são guiados. Logo, todos temos de ter algum conhecimento para poder intervir na sociedade. Se a maioria é completamente ignorante não pode argumentar nem entender a argumentação. Há que evitar essa situação e aumentar o nível médio de conhecimento para que
todos possam intervir com competência.
E não cair na facilidade do discurso demagógico...
Um ignorante segue sempre o que é prometedor. As pessoas que não têm conhecimentos sobre
nutrição preferirão sempre quilos de alimentos mais saborosos, embora com efeitos nocivos para a sua saúde. Se der a uma criança uma sopa nutritiva ou um prato de doces, ele escolherá o prato de doces, porque não sabe que lhe faz mal. Isso também acontece à escala dos adultos. Se um político promete o céu e a terra, de uma forma inverosímil mas atrativa, e outro exige sacrifícios de forma realista, para conseguir um país mais forte para todos, os ignorantes obviamente preferirão o primeiro.
Tem alguma ideia de qual é a representação percentual dessa massa de ignorantes numas eleições?

Não sei determinar. Mas o sintoma mais alarmante dessa ignorância pode ser medido nas televisões. Em Espanha, os programas de debate discutem os amores de fulana e beltrano. Há
uma mulher em Espanha que é um fenómeno mediático. É famosa apenas pela sua ignorância cósmica e por dizer os maiores disparates. No entanto, uma sondagem feita numa rádio determinou que muitos espanhóis votariam nela para primeira-ministra. Na sequência disto, a rádio ligou-me para opinar sobre o assunto. “Vocês acreditariam que os mesmos espanhóis votariam nela para treinadora da seleção nacional?”, perguntei. E a resposta que obtive foi: “Não, claro que não! O lugar de treinador da seleção é um posto demasiado sério!” Ou seja, quando falamos de coisas sérias falamos de futebol, e quando falamos de política tudo é possível. Este tipo de degradação do discurso é muito grave; e esse é o problema.
Também diz muito dos políticos ou da perceção dos políticos.

Os políticos somos todos nós. Se os políticos que ocupam os cargos são incompetentes, somos nós que os elegemos, e fomos nós, que apesar de acreditarmos que podemos ser melhores do que eles não nos oferecemos para o lugar deles. Os políticos não são seres de outro planeta que desceram à terra para nos dificultar a vida.


Li no blogue Olho de Fogo

BRASIL - Dilma eleita presidente