sábado, 25 de outubro de 2008

O Estádio do Marítimo

"O Governo Regional e a Câmara Municipal do Funchal chumbaram o projecto apresentado pelo Marítimo para o Estádio dos Barreiros, mas ainda é possível desbloquear o impasse. Como? Através das empresas que vão formalizar a candidatura à reconstrução da infra-estrutura.
Segundo o programa do concurso, às doze empresas que levantaram o caderno de encargos referente ao concurso público internacional para a empreitada de construção do novo Estádio do Marítimo é facultada a possibilidade de apresentarem projectos... para o projecto, isto é, diferentes propostas daquilo que está previsto no caderno de encargos, desde que não se alterem determinadas obrigações, como o número de lugares sentados (8.800) e as dimensões do terreno de jogo".
http://www.dnoticias.pt/default.aspx?file_id=dn04011032251008
-
Eu nem sou maritimista, mas esta história do estádio do Marítimo está numa salgalhada? Este é mais um exemplo de falta de planeamento, o desconhecimento do que é uma estratégia e a inexistência de diálogo entre o Governo Regional, o Marítimo e a Câmara. Não sabem o que querem!
Agora serão as empresas concorrentes a apresentar o Projecto? Só mesmo na Madeira. Estas empresas é que sabem o que o Marítimo quer?
Isto para mim já cheira a queimado. Estou curioso para conhecer o nome da empresa que vai ganhar o concurso. Já ouvi umas coisas por aí.

1 comentário:

Fernando disse...

Estádio dos Barreiros

Com o tempo a passar, vão transbordando algumas informações sobre o processo de avaliação das propostas apresentadas no concurso para a construção do (novo) Estádio dos Barreiros.
A providência cautelar apresentada pela empresa afastada do concurso aquando da abertura das propostas terá surtido efeito pelo que, aparentemente, terá sido reintegrada à condição, até a decisão do tribunal. Afinal, com o benefício do Marítimo pois sabe-se que será a proposta mais barata.
A hipotética proposta mais barata será, afinal, a mais cara. Custos na ordem dos 1000 euros por metro quadrado fazem dessa proposta (retira 20% ao custo global, mas constrói quase 50% menos que as restantes) uma má proposta, quer para o Marítimo (usufruente de uma instalação mínima), quer para os contribuintes e GR (financiadores) que pagarão mais por muito menos. Haverá algumas propostas de construção a valores pouco acima dos 600 euros o metro quadrado.
Em paralelo, consta que aquela mesma proposta (alternativa e não variante à proposta base) não se enquadra legalmente no concurso público que é de construção e não de concepção-construção (situação onde os concorrentes poderiam apresentar projectos alternativos). O que terá sido uma boa opção do Marítimo, definindo em projecto o que pretende - não entregando essa tarefa a outros – mas não deixando de abrir a possibilidade de apresentação de variantes (alterações ou reduções de programa simples à proposta base, definida e colocada a concurso).
Face a esta situação, é de esperar que a obra seja adjudicada a uma das empresas com custo m2 inferior, garantindo a execução do projecto base, mesmo que o governo limite o seu apoio financeiro, exclusivamente às áreas desportivas ali (bem) definidas.
Para a restante verba e restantes espaços (a maioria nos baixos das bancadas) caberá ao Marítimo encontrar financiadores (possíveis investidores, futuros utilizadores dos espaços comerciais) que suportarão a construção e acabamentos (agora ou no futuro em fase de maior desafogo económico) de espaços que viabilizarão o Estádio resultante, libertando-o (como todos os que agora se vão construindo por esse mundo fora) de ser consumidor eterno de recursos públicos. Processo que deverá ser validado aquando da assinatura do acordo da cedência do terreno do actual Estádio dos Barreiros que estará para breve.
O atraso neste processo terá a ver com o facto do registo do terreno, realizado recentemente, estar incorrecto, pois alarga a todo o terreno (30mil m2) condicionantes e limitações de uso do mesmo (uso desportivo exclusivo) só aplicáveis a uma parte do mesmo (17mil m2) como comprova diversa documentação, referente à cedência do terreno ao Estado (Junta Geral) nos anos 50 do século passado, já na posse das entidades financiadoras e da competente (D R Património) para o efeito.